Carregando.. Por favor aguarde.

Tá no coração da gente!

Blog da Igapó

10/11

A Polícia Federal (PF) deflagrou, na manhã desta quinta-feira (10), a 36ª fase da operação Lava Jato, intitulada Operação Dragão. As equipes policiais devem cumprir 18 ordens judiciais, sendo 16 mandados de busca e apreensão - um deles em Londrina, na sede da concessionária Triunfo-Econorte - e dois de prisão preventiva. Aproximadamente 90 agentes federais estão participando da ação em cidades do Ceará e de São Paulo, além de Londrina e Curitiba.

Nesta fase da operação Lava Jato são investigados dois importantes operadores financeiros responsáveis pela movimentação de recursos de origem ilegal, principalmente oriundos de relações criminosas entre empreiteiras e empresas sediadas no Brasil com executivos e funcionários da Petrobras. Os alvos são Adir Assad e Rodrigo Tacla Duran. Os dois são apontados em delação como operadores utilizados para pagamentos indevidos pelo Setor de Operações Estruturadas, o departamento da propina. Enquanto Assad já se encontra preso por ter sido avo de outras fases da Lava Jato, em Curitiba e no Rio de Janeiro, Tacla Duran está no exterior.

O advogado Rodrigo Tacla Duran, apontado como um dos operadores das offshores criadas pelo "departamento de propina da Odebrecht", recebeu R$ 36 milhões de empreiteiras investigadas na Lava Jato, entre elas, a UTC, Mendes Júnior e EIT. Os dados constam em pedido de quebra de sigilo de empresas que, segundo o MPF, são suspeitas de escoar a propina da Mendes Júnior. Somente da Mendes Júnior, o escritório Tacla Duran Sociedade de Advogados, entre 2011 e 2013, recebeu R$ 25 milhões. Da UTC foram R$ 9 milhões e da EIT outros R$ 2 milhões.

A reportagem da Agência Estado apurou que no caso da Mendes Júnior, os repasses ao operador são explicados na proposta de delação premiada em negociação com a Procuradoria-geral da República. Os valores seriam destinados a agentes públicos envolvidos em irregularidades em obras da Petrobras e no governo do Rio de Janeiro.

Até então, os investigadores tinham conhecimento apenas da atuação de Tacla Duran em transações envolvendo as contras secretas da Odebrecht. Com a quebra de sigilo das construtoras, os investigadores descobriram que duas empresas de TaclaDuran foram beneficiárias de pagamentos milionários.

Além da Odebrecht, Mendes Júnior, UTC e EIT, o MPF também mapeou a relação de Tacla Duran com ao menos outras duas empreiteiras e dois operadores presos pela Lava Jato. A Treviso, de Julio Camargo, operador da Toyo Setal e atualmente delator, repassou R$ 350 mil para o escritório do advogado. Por sua vez, outra empresa de Tacla Duran, a Econocell do Brasil, repassou R$ 3,5 milhões para empresas de Adir Assad, apontado como operador da Delta Engenharia e de outras construtoras.

O advogado Rodrigo Tacla Duran, apontado como um dos operadores das offshores criadas pelo "departamento de propina da Odebrecht", recebeu R$ 36 milhões de empreiteiras investigadas na Lava Jato, entre elas, a UTC, Mendes Júnior e EIT. Os dados constam em pedido de quebra de sigilo de empresas que, segundo o MPF, são suspeitas de escoar a propina da Mendes Júnior. Somente da Mendes Júnior, o escritório Tacla Duran Sociedade de Advogados, entre 2011 e 2013, recebeu R$ 25 milhões. Da UTC foram R$ 9 milhões e da EIT outros R$ 2 milhões.

Reprodução
Reprodução



São apuradas as práticas, dentre outros crimes, de corrupção, manutenção não declarada de valores no exterior e lavagem de dinheiro.

O nome "dragão" dado à investigação policial é uma referência aos registros na contabilidade de um dos investigados que chamava de "operação dragão" os negócios fechados com parte do grupo criminoso para disponibilizar recursos ilegais no Brasil a partir de pagamentos realizados no exterior.

Em nota, a Triunfo-Econorte informa que desconhece qualquer ligação entre a empresa e a operação e informa também que está colaborando com as autoridades para o andamento dos trabalhos.

Confira a relação dos mandados que devem ser cumpridos nesta fase:

LONDRINA

1 mandado de busca e apreensão

CURITIBA

1 mandado de busca e apreensão

JAGUARAUANA/CE

1 mandado de busca e apreensão

SÃO PAULO/SP

7 mandados de busca e apreensão

BARUERI/SP

5 mandados de busca e apreensão

SANTANA DE PARNAÍBA/SP

1 mandado de busca e apreensão

Rua Minas Gerais 297, Sl 192
Centro
Londrina-PR
CEP 86010-905
Fone Comercial: (43) 3371-0120
Fone do Ouvinte (43) 3371-0104